Indicação de Leitura

Indicação de leitura: conceitos básicos em Análise do Comportamento. 


De Souza, D.G. (1997). A evolução do conceito contingência. Em: Banaco, R.A. (Org.) Sobre comportamento e cognição: aspectos teóricos, metodológicos e de formação em Análise do Comportamento e Terapia Cognitivista. Santo André: Esetec. (pg. 88-105). V.1 

De Rose, J.C. (1997). O relato verbal segundo a perspectiva da análise do comportamento: contribuições conceituais e experimentais. Em Banaco, R. (Org). Sobre Comportamento e Cognição: aspectos teóricos, metodológicos e de formação em Análise do comportamento e Terapia Cognitivista. p.148-173. V.1 

**Baum, W. M. (1999). Compreender o Behaviorismo: ciência, comportamento e cultura. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda. 

**Catania, C. A. (1999). Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição. Porto Alegre: ArtMed. 

Hübner, M.M.C. (1997). O paradigma de equivalência e suas implicações para a compreensão e emergência de repertórios complexos. Em: Banaco, R.A. (Org.) Sobre comportamento e cognição: aspectos teóricos, metodológicos e de formação em Análise do Comportamento e Terapia Cognitivista. Santo André: Esetec V.1 (pg. 423-430). 

Hübner, M. M.C. (1997). O que é comportamento verbal. Em: R. A. Banaco (org) Sobre o comportamento e cognição: aspectos teóricos, metodológicos e de formação em análise do comportamento e terapia cognitiva. Santo André: Ed. Esetec. (pp. 135 - 137). V.1 

Hübner, M. M. C. (2003). Comportamento verbal e não verbal: efeitos do reforçamento de tactos com autoclíticos referentes ao ler sobre o tempo dispendido com leitura. Ciência do Comportamento  conhecer e avançar. Hérika de Mesquita Sadi e Nely Maria S. de Castro (Orgs.). Santo André: Esetec (pp. 163-173). V.3 

**Keller, F. S., & Shoenfeld, W. N. (1950). Principles of Psychology. New York:Appleton-Century-Crofts. 

**Lattal, K. ( 2005).Ciência, Tecnologia e Análise do Comportamento.  Em  Abreu-Rodrigues, J. & Ribeiro, M.R. (Org.). Análise do comportamento:    pesquisa, teoria e aplicação. Porto Alegre: Artmed, 2005, p. 15-27. 

Luna, S.( 1997). O terapeuta é um cientista? Em Banaco, R.A.(1997) (Org.)Sobre comportamento e cognição. Santo André: Esetec, p.305-313/  322-337. V.1 

Matos, M.A. (1999). Controle de estímulo condicional, formação de classes conceituais e comportamentos cognitivos. Revista Brasileira de Terapia Comportamental Cognitiva, 1, 2, 159-178. 

**Matos, M.A. (1995). Behaviorismo metodológico e Behaviorismo radical. Em: Rangé, B. (Org.) Psicoterapia Comportamental e Cognitiva. São Paulo: Editorial Psy.  (pg. 27-34). 

 **Matos, M. A. (1997). O Behaviorismo metodológico e suas relações com o Mentalismo e o Behaviorismo radical. Em: Banaco, R.A. (Org.) Sobre comportamento e cognição: aspectos teóricos, metodológicos e de formação em Análise do Comportamento e Terapia Cognitivista. Santo André:  Esetec. (pg. 54-67). V.1 

Matos, M. M. (1981). O controle de estímulos sobre o comportamento. Psicologia, 7(2), pp. 1-15. 

Matos, M.A. (1999). Comportamento governado por regras. Revista Brasileira de Terapia Comportamental Cognitiva, 3, 2, 51-66. 

**Millenson, J. R. (1967). Princípios de Análise do Comportamento. Brasília: Coordenada-Editora de Brasília. 

**Sério, T. M. A. P.; Andery, M. A.; Gioia, P. S. & Micheletto, N. (2002). Controle de estímulos operante: uma introdução. São Paulo: Educ. 

**Skinner, B. F. (1953/1993). Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins Fontes. 

**Skinner, B. F. (1957). Verbal behavior. Acton: Copley Publishing Group. 

Skinner, B.F. (1989). The place of feeling in the Analysis of Behavior. Recent Issues in the Analysis of Behavior. Toronto: Merrill Publishing Company (pg. 03-11). 

**Skinner, B. F. (1974) Sobre o Behaviorismo. Maria da Penha Villalobos (Trad.). São Paulo: Editora Cultrix. 

**Sidman, M. ( 1995). Coerção e suas implicações. Campinas: Editora Psy.

Hübner, M. M. C, Marinotti, M. (2004). Análise do Comportamento para a Educação  Contribuições Recentes. Santo André:  Esetec 

Souza, S.R. de, Haydu, V.B. (2009). Psicologia Comportamental Aplicada. Londrina. Eduel  Editora da Universidade Estadual de Londrina. 

Moreira, M.B., Medeiros,C.A. de. (2007). Princípios Básicos de Análise do Comportamento. São Paulo: Artmed Editora SA. 

Rodrigues, J.A., Ribeiro, M.R. (2005). Análise do Comportamento pesquisa, teroria e aplicação. São Paulo: Artmed Editora SA 

De Farias, A.K.C.R.(Org.) Análise Comportamental clínica: aspectos teóricos e estudos de caso. Porto Alegre: Artmed 

Silvares, E.F.M. (Org.) Estudos de caso em psicologia clínica comportamental infantil - Editora Papirus 

Delitti, M., Derdyk, P. (Orgs.) Terapia Analítico-Comportamental em Grupo - ESETec Editores Associados, 2008 

Banaco, R. A. (Org) Sobre Comportamento e Cognição, ARBytes Editora Ltda, São Paulo - 1997 

Revista brasileira de terapia comportamental e cognitiva - Associação Brasileira de Psicoterapia e Medicina Comportamental. Vol XI, 2009 - Campinas-São Paulo, ABPMC, 1999.

Follette,.W. C., Naugle, A. E. e Callaghan, G. M. (1996). A radical behavioral understanding of the therapeutic relationship in effecting change. Behavior Therapy, 27, 623-641

Kerbauy, R .R. (1972) Autocontrole: Manipulação de Condições Antecedentes e Conseqüentes do Comportamento Alimentar, Tese de Doutoramento. Parte I.,

Universidade de São Paulo, São Paulo.

Kerbauy, R. R. (1999). Pesquisa em terapia comportamental: problemas e soluções. Em: R.R. Kerbauy e R. C. Wielenska (orgs.), Sobre comportamento e cognição: Volume 4. Santo André, São Paulo: ESETEC.

Kerbauy, R. R. e Silveira, J. M. (2000). A interação terapeuta-cliente: uma investigação com base na queixa clínica. Em: R. R. Kerbauy (org.), Sobre comportamento e cognição: Volume 5. Santo André, São Paulo: ESETEC.

Kholenberg, R. J. e Tsai, M. (1991/2001). Functional analytic psychotherapy. New York: Plenum. Ed. em língua portuguesa: Terapia analítico funcional, tradução supervisionada por Rachel Rodrigues Kerbauy. Santo André, São Paulo: ESETEC.

Wielenska, R C. (1989) A investigação de alguns aspectos da relação terapeuta-cliente em sessões de supervisão. Dissertação (Mestrado) apresentada ao IPUSP, sob orientação de Luiz Cláudio Mendonça Figueiredo.

ABREU, P. R.; SILVERIO, J. H. S. . Ativação Comportamental. In: Paola Lucena Santos; José Pinto Gouveia; Margareth da Silva Oliveira. (Org.). Terapias comportamentais de terceira geração: guia para profissionais. 1ed.Novo Hamburgo: Sinopsys Editora, 2015, v. 1, p. 1-526

Williams, M. & Penman, D (2011). Mindfulness: an eight-week plan for finding peace in a frantic world. NewYork: Rodale.

Harris, R. & Hayes, S. (2009). ACT made simple. Oakland, CA: New Harbinger.

Ross, J. (1995). Vencendo o medo. São Paulo: Ágora.

Zamignani, D. R. & Banaco, R. A. (2005). Um Panorama Analítico-Comportamental sobre os Transtornos de Ansiedade. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, v.7, n.1

Cordova, J.V.E Jacobson, N.S(1999) “Crise De Casais “–EM Manual Clínico Dos Transtornos Psiquiátrico-Barlow, D.H. (Org.) Ed. Artmed Porto Alegre, Rs. 

Dattilio, F.M E Padesky,c(1995)”Terapia Cognitiva Com Casais”. Ed. Artmed.Porto Alegre
 
Delitti,m. E Derddyk,p.(  2012  ) O Trabalho da Análise do Comportamento com Grupos: Possibilidades de Aplicação a Casais e Famílias. Em Cassas,F e Borges,N. Clínica Analítico-comportamental aspectos Teóricos E Práticos.Artmed

Jacobson, N.S E Christensen(1998)-“acceptance And Change In Couple Therapy”.W.W. Norton & Company.

Stuart, R.B.“Operant-interpersonal Treatment For Marital Discord”, 33, 675-682.

Stern,r.E Drumond,l. (1998) “Behavioral Marital Therapy.” EM The Practice Of Behavioral And Cognitive Psychotherapy.N.Y.Plenum Press.